Reprodução Humana

Infertilidade Masculina


A infertilidade masculina atinge cerca de 20 a 40% dos casais que tentam engravidar no prazo de 6 a 12 meses sem uso de métodos contraceptivos e com relação sexual frequente.

Causas da Infertilidade

Muito casais após inúmeras tentativas para engravidar pelo método natural, porém, sem sucesso, recorrem ao Ginecologista ou Urologista para verificar o que pode estar ocorrendo. Nestes casos são analisados vários fatores como:

  • Causas anatômicas
  • Causas ambientais
  • Causas Imunológicas
  • Causas Genéticas

Anatômicas

Varicocele: é considerada a causa mais comum de infertilidade masculina que acomete cerca de 50% dos homens. É um conjunto de veias dilatadas (varizes) na região dos testículos que aumenta a temperatura dos mesmos, prejudicando a produção de espermatozoides. Em alguns casos, a intervenção cirúrgica pode melhorar a qualidade seminal (concentração espermática, morfologia e motilidade), mas é necessário analisar fatores como: a idade do casal, nível de ansiedade, condições financeiras, é preciso estar ciente que após a cirurgia os resultados podem ser insatisfatórios, cerca de 20% a 30% dos casos sem sucesso.

Varicocele - clínica sesma


Causas ambientais

Hábitos como: fumar, álcool em excesso e uso de drogas, colocam em risco a fertilidade masculina. Outros fatores também influenciam negativamente a fertilidade como:

  • Exercícios físicos em excesso
  • Obesidade e anorexia
  • Quimioterapia e radioterapia
  • Exposição ocupacional produtos químicos como os solventes, pesticidas e alguns metais como o chumbo e o manganês e exposição ao calor em algumas profissões.

Fatores Iatrogênicos

Estão relacionados com as cirurgias como correção da hérnia inguinal, que em alguns casos, têm efeito colateral, como: lesão ao canal deferente, responsável pela saída do sêmen.

Genética

Algumas doenças genéticas também podem interferir na fertilidade como: Síndrome de Kleinifelter, que pode ter seu diagnóstico através de estudos como o cariótipo com banda G, que analisará os cromossomos.

Infecção

A infecção genital pode ser considerada um fator determinante na infertilidade do homem, as mais comum são a: Escherichia coli, Neisseria gonorrhoeae, Chlamydia trachomatis, Micoplasma hominis e Ureaplasma urealyticum.

Azooespermia: Ausência de espermatozoides

A azooespermia é classificada como a ausência total de espermatozoides no sêmen ejaculado. Isso em alguns deve a alguns fatores como: Doenças sexualmente transmissíveis (DST’s), hábitos inadequados, varicocele, problemas hormonais, doenças genéticas como a Síndrome de Kleinifelter e uso de drogas. Também existe a possibilidade de que o paciente não possua o ducto deferente. Cirurgias como a vasectomia e os traumas sofridos na região também são responsáveis pela ausência de espermatozoides.

Tratamentos

Se o paciente possuir espermatozoide no ejaculado, e tiver motilidade, o tratamento seria a Fertilização In Vitro com a ICSI (Injeção Intracitoplásmatica de Espermatozoide).

Tipos de tratamento

  • Aspiração Percutânea do Epidídimo (PESA) é um método de extração de espermatozoides indicado para pacientes com diagnóstico de azoospermia obstrutiva.
  • Aspiração de Espermatozoides do Testículo (TESA) é indicado para extrair espermatozoides de pacientes com azoospermia obstrutiva ou não. Essa técnica tem sido empregada na extração de espermatozóides testiculares cujo ejaculado apresenta taxas anormalmente elevadas de espermatozoides com fragmentação da cromatina.
  • Microcirúrgica de Espermatozoides do Epidídimo (MESA) Também é uma técnica utilizada em pacientes com azoospermia obstrutiva. Ao contrário da técnica de PESA que a abordagem é percutânea, na MESA a abordagem é aberta, ou seja, necessário uma microcirurgia, com sedação.
  • Microdissecação testicular (Micro TESE) é um procedimento semelhante a MESA, em que é uma cirurgia aberta, com sedação. É uma técnica realizada para obtenção de espermatozoides através de microscópio. Com indicação para pacientes que tenham indicação para azoospermias não obstrutivas e também nos casos de falha da punção.

Avaliação

A avaliação da infertilidade masculina poderá ser dada por um Ginecologista ou um especialista em Reprodução assistida. Na consulta serão feitas algumas perguntas para identificar possíveis causas genéticas, ambientais, anatômicas e iatrogênicas.

Com o auxílio do espermograma, o médico terá um diagnóstico mais preciso, em alguns casos também será necessário a realização de exames complementares, caso do Cariótipo com banda G.

Em todo o caso, converse com um médico ou especialista sobre a infertilidade masculina, a partir do momento em que as tentativas em que o método natural de gravidez não der certo!