Reprodução Humana

Doação Temporária de útero ou Útero de Substituição


As técnicas de reprodução assistida possibilitam muitas chances às pacientes que buscam sua realização através dos procedimentos de Fertilização In Vitro.

Com os novos avanços, surgiu a possibilidade das pacientes que não tem útero, ou que possuem alterações permanentes de reavivar esse tão sonhado momento: a maternidade, utilizando o material genético do casal, ou seja, óvulo e sêmen próprio que pós fertilizados serão transferidos para o útero de uma outra mulher. Essa técnica é chamada de útero de substituição ou doação temporária de útero.

A doação temporária de útero é o procedimento em que uma mulher “cede” temporariamente seu útero para gerar o filho de outra mulher.

Essa técnica é indicada para os seguintes casos:

  • Ausência de útero: pacientes que se submeteram a retirada do útero por cirurgia;
  • Defeitos congênitos como malformação uterina incompatível com gestação (útero infantil, útero rudimentar ou ausência congênita de útero);
  • Falhas de implantação: quando há transferência de embriões, sem a ocorrência de gestação.
  • Doenças maternas que podem levar a óbito como: doenças pulmonares, cardíacas ou renais graves.

A doadora do útero é a paciente que irá receber os embriões, sendo obrigatório, conforme consta na Resolução do Conselho Federal de Medicina (CFM) nº 2.168/17 as seguintes características:

  • A doadora temporária do útero deve pertencer à família de um dos parceiros em parentesco consanguíneo até o quarto grau (primeiro grau – mãe/filha; segundo grau – irmã/avó; terceiro grau – tia/sobrinha; quarto grau – prima). Demais casos estão sujeitos à autorização do Conselho Regional de Medicina.
  • A doação temporária do útero não poderá ter caráter lucrativo ou comercial. Muitos se referem a doação temporária de útero como “barriga de aluguel, porém, no Brasil este termo é inadequado, já que a doação do útero não pode ter fins comerciais.
  • Preenchimento de alguns documentos.

Acompanhamento psicológico:

A doadora temporária do útero passará por uma avaliação psicológica, para avaliar suas condições e seu entendimento quanto a doação, atestando a adequação clínica e emocional da doadora temporária do útero. Se a doadora temporária for casada ou tiver uma união estável, o companheiro ou cônjuge deve apresentar por escrito a sua autorização.

Etapas

Paciente com alteração do útero e que necessita do auxílio da doadora de útero:

  • A paciente será submetida a uma estimulação ovariana com uso de hormônios injetáveis. Para acompanhar o desenvolvimento dos folículos, são realizados alguns ultrassons com contagem e medida dos folículos. Quando atingirem um tamanho ideal é administrado uma nova medicação para o amadurecimento dos óvulos.
  • Para a coleta dos óvulos é realizado uma punção folicular. Esse procedimento é realizado sob anestesia, sendo realizado por via vaginal. Com esse procedimento é coletado os óvulos. No mesmo dia, o parceiro realiza a coleta dos espermatozóides para a realização da fertilização, com posterior formação dos embriões.

Doadora do útero:

  • Durante esse período, a doadora do útero (receptora do embrião) faz uso de hormônios para o preparo do seu endométrio para receber os embriões.
  • Após 3 ou 5 dias da captação dos óvulos e fertilização, é realizada a transferência dos embriões para o útero da doadora. A transferência é um procedimento indolor e rápido, sendo realizado através de um exame ginecológico, sem anestesia.
  • Depois de 14 dias é solicitado o exame de Beta HCG para confirmar a gravidez.

A doação temporária de útero é um avanço que reacende o desejo e a esperança daquela que está em busca da maternidade. Essa nova realidade refloresce o desejo de muitos casais que buscam sua concretizam do sonho através dos recursos disponíveis da medicina.